E entretanto em Bruxelas...

E entretanto em Bruxelas, Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, arranjou forma de receber 150 mil euros anuais para trabalhar dois dias por semana, quando a prática dizia que os seus antecessores não eram remunerados.

Nada mau, para quem deveria dar o exemplo.


Está no jornal holandês De Telegraaf